Suspeitos de receptar cabos de telefonia avaliados em R$1 mi são presos em MG

[ad_1]

De conformidade com a Polícia Social, os suspeitos roubavam cabos de fibrilha ótica de grandes empresas de telefonia e repassavam a empresas menores

A Polícia Social de Minas Gerais prendeu, nesta quinta-feira (29), três pessoas suspeitas de receptação de equipamentos e acessórios utilizados por empresas de telefonia na estruturação de redes. O material foi estimado em R$ 1 milhão. A operação, denominada Filamento Ótica, ainda investiga outros suspeitos de rapina, receptação e apropriação indébita. 

De concordância com as apurações da Polícia Social, eram furtados materiais porquê bobinas de filamento ótica, tampas de passagem subterrânea e decodificadores de grandes empresas de telefonia. O resultado do rapina era repassado a pequenas empresas do ramo.  Foram encontrados quatro imóveis em Belo Horizonte e em Santa Luzia, na região metropolitana da capital, onde eram guardados o material. A Polícia estima que os produtos custam murado de R$ 1 milhão. 

O procurador acredita que a recuperação do material e as prisões podem minimizar o impacto financeiro tanto das empresas quanto dos consumidores, pois “de uma forma ou de outra, esse prejuízo é repassado pelas empresas na prestação de seus serviços. Logo, o consumidor do serviço de telefonia tem acréscimo naquela conta que ele paga, na compra do resultado ou serviço que ele tem”.

Segundo Machado, em uma das residências os suspeitos utilizavam um equipamento para remover as marcações das empresas dos objetos roubados. “Eles adquiriam o cabeamento, raspavam, embalavam, enrolavam em bobina, colocavam plástico e revendiam”, detalhou.

Tráfico de drogas 

Enquanto os policiais civis realizavam as apurações da operação, eles flagraram dois homens, um no bairros Taquaril, na capital, e outro no bairro São Cosme, em Santa Luzia, traficando. Eles não perceberam a presença dos policiais e acabaram presos. 
 


[ad_2]
Nascente Notícia -> :Fonte Notícia