ANÁLISE: Intel Core i7-10700K – ótimo CPU, mas só consegue lastrar a disputa

[ad_1]

O Intel Core i7-10700K é um processador de subida performance voltado a consumidores exigentes que buscam desempenho em suas aplicações. Ele une altas frequências de operação e grande quantidade de núcleos, sendo indicado para alguém que deseja games em subida qualidade até um usuário buscando um CPU robusto para atividades profissionais porquê render e edição de vídeo.

Site solene com specs do Intel Core i7-10700K

O grande destaque desse resultado é o aumento do número de threads com a reintrodução do hyperthread no Core i7. Enquanto modelos porquê o 9700K ficaram com a feição 8 núcleos e 8 threads para diferenciar do Core i9, agora o 10700K tem dois núcleos lógicos por núcleo físico, chegando a forma 8 núcleos e 16 threads e batendo de frente com os rivais Ryzen 7.

O Intel Core i7-10700K foi anunciado por US$ 374, valor sugerido aquém do rival direto na feitio 8/16, o Ryzen 7 3800X, que foi lançado por US$ 399 mas que já aparece por US$ 339.  No Brasil, o padrão Ryzen é vendido por R$ 2.599, com o 10700K ainda aparecendo com baixa disponibilidade e na filete dos R$ 3.5 milénio.

Comparativo

Preços

Preço no lançamentoU$ 374,00 U$ 488,00 U$ 488,00 U$ 399,00
Preço atualizadoU$ 374,00 U$ 488,00 R$ 2.949,00 U$ 399,00

Especificações

Vídeo Integrado

Características Gerais


Core de 10ª geração

A microarquitetura Comet Lake-S é mais chip da Intel com a litografia de 14 nanômetros, processo que vem sendo utilizado e aperfeiçoado desde a introdução dos processadores Skylake em 2015, a 6ª geração Core.

O Comet Lake-S é mais uma interação de 14nm, alguma coisa em uso desde 2015 pela Intel

- Continua depois a publicidade -

Com quatro geração consecutivas no mesmo nódulo, a Intel precisou buscar aprimoramentos para justificar seu line-up e fazer frente a visível evolução da concorrência. A primeira evolução tem a ver com o próprio processo de fabricação: se por um lado permanecer tanto tempo em 14nm se torna um problema com rivais já em 7nm, por outro esse processo de fabricação está mais maduro e eficiente.

As armas para essa geração: clocks mais altos e melhorias na escrutínio de núcleos e threads

Com isso, a Intel consegue atingir frequências mais altas nos novos Comet Lake, com muitos modelos alcançando patamares supra dos 5GHz em boost, alguma coisa que na 9ª geração estava restrito a modelos específicos. Para escoltar essa evolução, foi preciso aprimorar o resfriamento, e por isso a profundeza do die foi reduzida, os chips usam soldadura para conduzir o calor e o IHS (integrated heat spreader, a peça metálica no topo do processador) agora é mais largo e tem mais cobre para se tornar termicamente mais eficiente.

A outra mudança relevante são especificações mais robustas. Isso quer expor que enfim temos o hyperthread presente em toda a família Core, tornando os Core i5 hexa-core com 12 threads, e todos Core i7 agora tem 8 núcleos e 16 threads, igualando a competição com os Ryzen 5 e 7.


Fotos

Os modelos de processadores Core de 10ª geração mudaram um pouco o formato, logo não tem compatibilidade com plataformas anterior, sendo necessário uma placa-mãe soquete LGA 1200. Aquém algumas fotos do Core i7-10700K sozinho, e também em uma mainboard com chipset Z490.

Os processadores Core de 10ª geração precisam de placas-mãe soquete LGA 1200

- Continua em seguida a publicidade -


Sistema utilizado


Aquém, detalhes sobre o sistema utilizado para os testes.

Máquinas utilizadas nos testes:
Todos os sistemas usaram componentes com as mesmas características técnicas, com exceção da placa-mãe/processador (isso varia de combinação com a plataforma). Veja a feitio:

- Placa-mãe para o CPU analisado: Gigabyte Z490i Ultra Aorus [site oficial]
- Placa de vídeo: GeForce RTX 2080 Ti [análise]
- Memórias: 16GB TeamGroup XCalibur @ 2933MHz (2x8GB) [site oficial]
- SSD: Kingston Savage 240GB Sata 6Gb/s [análise]
- HD: Seagate Barracuda 2TB 7200RPM Sata 6Gb/s [site oficial]
- Cooler: Noctua NH-U12S TR4 [site oficial]
- Manadeira de força (PSU): Thermaltake Toughpower 850W GOLD [site oficial]

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 "1909" 64 Bits com Updates
- GeForce 446.xx

Aplicativos/Games:
- 7-Zip [site oficial]
- Adobe Encoder [site oficial]
- Blender [site oficial]
- CineBench R20 [site oficial]
- x264 Full HD Benchmark [download]
- HWBot x265 Benchmark [site oficial]
- V-Ray [site oficial]
- wPrime 1.55 [site oficial]
- WinRAR 5.x [site oficial]

- 3DMark (DX11)
- Assassin's Creed Odyssey (DX11)
- Battlefield V (DX12)
- Grand Theft Auto V (DX11)
- Red Dead Redemption 2 (Vulkan)
- Shadow of Tomb Raider (DX12)
- The Division 2 (DX12)

CPU-Z/AIDA64
Através do CPU-Z e AIDA64, vemos algumas informações técnicas do processador, porquê padrão, clocks, número de núcleos e threads etc.

- Continua depois a publicidade -


Overclock

Overclockamos o Core i7-10700K para 5GHz em todos seus núcleos, utilizando o cooler a ar Noctua NH-U12S chromax.black. Ele suportava subir, mas pelo vestimenta das temperaturas superar os 100 graus o sistema involuntariamente desligava, mormente no teste do Blender, sempre o mais exigente de nossa bateria. Logo, mantivemos em 5GHz. Com um liquid cooler será provável ir além, talvez superando os 5.3GHz do 10900K em Turbo Mode.

OBS.: Faça overclock por sua conta e risco. Evite deixar o CPU com tensões altas por muito tempo.


Consumo de robustez

Fizemos os testes de consumo de vigor do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark, aplicativo que exige bastante do sistema.

É importante ressaltar que o consumo de vigor depende bastante da placa-mãe e da placa de vídeo, podendo variar consideravelmente de um sistema para outro com configurações semelhantes.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso.

Rodando o 3DMark
Quando colocamos os sistemas rodando o 3DMark, conseguimos os consumos aquém:


Temperatura

Começamos pelos testes de temperatura, com o sistema em modo ocioso e rodando o wPrime, aplicativo que "estressa" todos os núcleos dos processadores.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso, com o Windows em espera sem estar executando nenhuma tarefa além das tradicionais do sistema.

Rodando o wPrime
Quando colocamos os sistema rodando o aplicativo wPrime, que faz todos os núcleos trabalhem em modo full, temos os consumos aquém:

"A temperatura varia de contrato com o programa utilizado. Mesmo o wPrime estressando todos os núcleos sendo uma boa opção para ver o comportamento desse cenário, alguns programas podem exigir ainda mais do processador e, consequentemente, esquentar mais o mesmo. Porquê exemplo, citamos o Blender."


Testes sintéticos


Aquém, temos uma série de testes de desempenho com o sistema, comparando o processador analisado com outros modelos do mercado e fazendo exatamente os mesmos testes.

Alguns testes podem tirar maior proveito de CPUs com clocks mais altos,independente da arquitetura e do número de núcleos/threads. Já outros podem tirar mais proveito de mais núcleos/threads

AIDA64 Latency
O software AIDA64 tem vários testes de performance. Separamos um que mostra um cenário dissemelhante dos demais: a velocidade de latência das memórias, que quanto menor o resultado, melhor.

Blender
O aplicativo Blender é voltado aos profissionais de edição de filmes e para manipulação de objetos 3D, sendo um bom teste real de porquê o sistema se comporta nesse tipo de cenário.

V-Ray
O teste V-Ray Benchmark utilizado consiste no resultado de renderização do CPU. Fizemos testes com duas versões, a antiga e a mais recente.

CineBENCH R20
O CineBench está entre os mais famosos testes de benchmarks para processadores, fundamentado em um teste convertendo uma imagem. Fizemos teste em Single e Multi Core, já na versão R20 lançada em março de 2019:

x264 Full HD Benchmark
Em um teste de conversão de vídeo Full HD, temos os seguintes resultados:

HWBOT x265 Benchmark 2.0
Agora, outro teste de conversão de vídeo, mas com o codec h265, e testes em FullHD e 4K:

Adobe Premiere CC
Mais um teste de renderização de vídeo, em um cenário real renderizando com o Adobe Premiere CC 2018 sem uso de GPU:

7-Zip
O software de compactação 7-Zip se tornou um dos mais populares do mundo por se tratar de um aplicativo de código cândido. Ele possui também um benchmark interno que vem sendo muito utilizado para métrica de performance. Aquém, o desempenho dos sistemas com ele:

WinRAR
Outro teste interessante para medir o comportamento do processador é o WinRAR, que consegue fazer bom uso de todos os cores.

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados aquém:

3DMark
Começamos nossos testes com foco em vídeo com o 3DMark, usando dois testes do modo Fire Strike, o default e o Ultra que roda em 4K.


Teste em games

Em nossos testes com games, selecionamos alguns dos principais títulos do mercado para mostrar porquê os processadores se comportam utilizando configurações semelhantes. Usamos sempre a mesma placa de vídeo, uma RTX 2080 Ti Founders Edition.

Assassin´s Creed Odyssey
O game da Ubisoft fundamentado na tecnologia DirectX 11 é uma referência de software que demanda cimo desempenho tanto do chip gráfico quanto do processador. Isso é resultado do planta largo e multíplice recriando a região da Grécia Antiga.


Battlefield V
O game desenvolvido pela DICE segue porquê uma referência de qualidade gráfica, operando tanto na API DirectX 12 quanto na11. O jogo também se tornou um marco nos games para PC ao ser o primeiro a introduzir a técnica de Ray Tracing híbrido da Nvidia através das placas RTX.


GTA V
Grand Theft Auto V está entre os maiores sucessos dos últimos anos, trazendo entre seus destaques boa qualidade gráfica. Ele é um dos games que mais faz uso do CPU, sendo um ótimo teste para ver o comportamento e diferença entre esses componentes. Confiram aquém os resultados nesse game:


Red Dead Redemption 2
Novo game da RockStar, com belíssimos gráficos e uma boa referência para medir o comportamento de sistemas. Nosso teste considera o game rodando sobre a API Vulkam, que se comportou melhor tanto em placas AMD porquê Nvidia.


Shadow of Tomb Raider
O mais recente game da franquia da Lara Croft, Shadow of Tomb Raider traz ótimos gráficos, exigindo muito do sistema, mesmo de subida performance.


Tom Clancy's The Division 2
The Division 2 usa um motor gráfico próprio desenvolvido pela Ubisoft Massive, lidando com cenários complexos e grandes quantidades de partículas na tela.


Teste em vídeo


Epílogo

A Intel segue jogando com as armas que tem, e nesse caso são os 14 nanômetros. Sem poder narrar com as evoluções de uma novidade microarquitetura, trabalhou no aprimoramento da tecnologia que tem disponível e uniu com evoluções no seu line-up para fazer frente aos padrão Ryzen.

A Intel conseguiu mais performance dos 14nm, mas mostra sinais negativos no consumo

Mas continuar "forçando a mão" em cima das melhorias sobre os 14 nanômetros não foi um problema em aquecimento, graças as melhorias na dissipação de calor implementada no Comet Lake-S, o 10700K mostra que a Intel começa a ter efeitos colaterais nesse incremento das frequências, e isso se refletiu no consumo. Mesmo com 50% mais núcleos, o 3900X consome um pouco menos que o padrão da Intel. Na prática isso impacta pouco ao consumidor, que não vai ver uma variação nos watts suficientes para mudar sua conta de luz, mas mostra diferenças na eficiência dos produtos.

Falando em performance, o hyperthread fez muito nas aplicações profissionais, com o 10700K ganhando de 10 a 35% de performance em apps de renderização, mas fez pouco ou até piorou seu desempenho em games comparado ao 9700K, padrão predecessor e que operava com 8 núcleos e 8 threads. Na disputa com o Ryzen 7 3800X, temos uma bela bulha, com ambos se alternando na frente, raramente deixando o rival evadir com vantagens superiores a dois dígitos. O 10700K consome um pouco mais, e o 3800X aquece um pouco mais, mas não temos diferenças gritantes. 

Há uma disputa muito equilibrada entro o i7-10700K e o Ryzen 7 3800X tanto em games quanto aplicações profissionais

E é nessa disputa que temos o problema. O Ryzen 7 3800X já aparece por preços mais baratos tanto no exterior quanto no Brasil, e ainda por cima tem vantagens porquê escoltar um bom coolerbox e dar suporte a memórias mais rápidas (3200MHz vs 2933MHz). Isso faz o 10700K desabar no "muito pouco, muito tarde" porquê uma resposta aos rivais Ryzen. Até dentro do próprio line-up da Intel, ele tem muitas configurações semelhantes ao Intel Core i9-9900K, e tanto no exterior quanto no Brasil a diferença de preços entre esses dois modelos são bastante baixas.

O Intel Core i7-10700K tem subida performance em games e atividades profissionais, mas

O Intel Core i7 10700K é um magnífico processador, entregando cocuruto desempenho em jogos e também em aplicações profissionais, porém a Intel precisa fazer mais se quer seus produtos se sobressaindo versus os rivais da AMD. O Core i7-10700K tem o préstimo de lastrar melhor a disputa com o Ryzen 7 3800X, mas não para superá-lo. 

PRÓS
Subida performance em games e aplicações profissionais
Grande descrição de núcleos e threads
Frequências de operação mais altas
Desbloqueado para o overclock
Mais performance em aplicações profissionais...
CONTRAS
...mas menos em games comparado ao 9700K
Preço mais cimo que rivais
Sem cooler na caixa
Suporte a memórias subalterno ao da AMD
Skylake de novo?

[ad_2]
Manadeira Notícia -> :Fonte da Notícia -> Clique Aqui