Vídeo: moradores de Santa Luzia denunciam abordagens violentas de cabo da PM

[ad_1]

Moradores de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, denunciam abordagens violentas feitas por um cabo da Polícia Militar que atua na cidade. Por meio das redes sociais e em grupos de WhatsApp, eles organizam um protesto pacífico contra a situação, marcado para 1 de julho.

A publicação convoca os moradores, principalmente entregadores de aplicativo, para se reunirem em protesto na avenida Brasília, uma das mais importantes de Santa Luzia. De conciliação com o pregão, eles vão transpor em carreata e “pedir melhorias para a nossa classe”.

Grupo usa as redes sociais para convocar protesto contra cabo da PM
Abordagens

Nesta semana circulam vários vídeos que mostram abordagens que teriam sido realizadas pelo policial. Em uma delas, um varão é contido por três PMs enquanto uma mulher, parente do varão impedido, tenta filmar a abordagem. O cabo pede para ela não se aproximar, pede para ela não reclinar nele e, depois empurrá-la, questiona: “quer levar outra?”.

Em outro vídeo, um varão algemado resiste ao tentar ser disposto dentro da viatura. O policial puxa o braço dele e joga o varão contra a viatura, fazendo o rosto dele atingir o veículo com força. O impacto foi registrado pela câmera, que está a muitos metros do lugar da ação.

Denúncia antiga

O mesmo cabo da Polícia Militar foi denunciado em 2020. A Itatiaia publicou, na era, a denúncia de um vendedor autônomo e sem antecedentes criminais que alegou ter ficado mais de 8 horas algemado e sofrido tortura psicológica. O varão também afirmou ter sido ameaçado de morte e ter tido o seu celular e mercadorias apreendidas. O responsável pela abordagem é o mesmo policial citado nesta material.

Na idade, o ambulante foi à corregedoria para denunciar o policial. Dias depois, ele teve suas mercadorias devolvidas pela Polícia Militar, junto com um documento informando que “não foram encontrados indícios de se tratar de mercadorias objeto de extravio ou de contrabando".

Outro lado

Em contato com a Itatiaia, o tenente-coronel Flávio Santiago, da Polícia Militar de Minas Gerais, disse que o uso da força é necessário durante algumas abordagens policiais, mas informou que a Polícia Militar mineira é considerada a PM menos mortal do país.

Em relação à denúncia de 2020, Flávio Santiago afirma que ela foi apurada pela corregedoria e pelo Ministério Público, mas o processo foi arquivado por falta de provas de conduta irregular por secção do militar.

A Itatiaia também entrou em contato com a corregedoria da Polícia Militar para saber o posicionamento do órgão em relação às acusações e ao protesto, e aguarda retorno.



[ad_2]
Nascente Notícia -> :Fonte Notícia