Nasa planeja missões a Vênus e a luas de Júpiter e Netuno entre 2025 e 2029 – Mensageiro Sideral

[ad_1]

A Nasa anunciou na última quinta-feira (13) os quatro finalistas para mais uma rodada de seleção de missões da classe Discovery, a mais baratinha das categorias adotadas pela dependência espacial americana para sondas interplanetárias. E desta vez acho que os entusiastas de Vênus terão mais sorte.

Dos quatro projetos, dois deles querem visitar o segundo mundo a recontar do Sol, planeta que, com sua atmosfera densa e efeito estufa acachapante, é meio porquê o “gêmeo malvado” da Terreno.

Uma delas, Davinci+ (evidente que há um acrônimo aí, que zero tem a ver com o renascentista italiano), envolve um orbitador e uma sonda atmosférica, com o objetivo de estudar o ar venusiano. A outra, Veritas (outro acrônimo), é um orbitador equipado com um poderoso radar para investigar a superfície venusiana e suas estruturas geológicas.

É a segunda vez que ambas chegam à período final do processo seletivo; na rodada passada, em 2017, as duas acabaram preteridas por missões destinadas a asteroides (Lucy e Psyche, que devem voar em 2021 e 2022). Desta vez, pelo menos uma delas deve ser escolhida. Até porque as outras duas finalistas envolvem muita ousadia e voos extremamente longos, até luas distantes do Sistema Solar exterior.

A IVO é uma missão orbital a Júpiter, com o objetivo de realizar uma série de sobrevoos de Io, a mais interna das quatro grandes luas jovianas. A teoria é monitorar a atividade vulcânica do planeta (o corpo geologicamente mais ativo do Sistema Solar).

A outra missão proposta, Trident, iria ainda mais longe, a Tritão, maior lua de Netuno. Para chegar lá mais depressa, a missão realizaria um único sobrevoo, reprisando o que a New Horizons fez por Plutão, antes de se perder nos confins do espaço.

Visitar Tritão seria interessante, ainda mais para contrastar os resultados com os de Plutão, já que a lua netuniana é provavelmente um planeta homúnculo conquistado pela seriedade netuniana. Mas é uma longa viagem, para uma missão tão limitada…

Minha aposta? IVO e uma das duas venusianas. A observadora de Io fará ótimo complemento às missões já escaladas para Júpiter, Europa Clipper e Juice, focadas nas outras três grandes luas (Europa, Ganimedes e Calixto). Já o voo até Vênus prometeria novos resultados em seguida poucos meses, na primeira missão venusiana da Nasa desde a Magellan, encerrada em 1994.

A pré-seleção vem com uma verba de US$ 3 milhões para cada projeto, e a escolha final acontece no ano que vem. As selecionadas terão de limitar seu dispêndio a US$ 500 milhões, e as partidas devem se dar entre 2025 e 2029.

Esta poste é publicada às segundas-feiras, na Folha Corrida.

Siga o Mensageiro Sideral no Facebook, no Twitter e no YouTube


[ad_2]
Manadeira Notícia -> :Fonte da Notícia -> Clique Aqui