Mãe ofídio do IML identificação de corpo que seria da filha: ‘já faz cinco meses’

[ad_1]

Débora, que estava pejada de seis meses, teria sido assassinada com o companheiro em Santa Luzia, e corpos foram encontrados carbonizados em Taquaraçu de Minas

"Até hoje ninguém foi recluso, não tem a identificação da minha filha. Eu estou em um sofrimento danado, nem remédio para dormir adianta. É uma angústia que só Deus", o desabafo é da cozinheira Adinalva Gonçalves Ferreira, de 43 anos, que desde o início do ano tenta conseguir no Instituto Médico Lítico (IML) de Belo Horizonte a identificação da filha. Débora Cristina Gonçalves Dias, de 19, teria sido assassinada junto com o companheiro. O motivo da morosidade, conforme a família, seria um problema em um dos equipamentos do instituto. 

No dia 19 de janeiro, dois corpos foram encontrados carbonizados dentro de um carruagem incendiado em Taquaraçu de Minas, na região Mediano de Minas. À era do duplo homicídio, a Polícia Militar (PM) informou que o par combinou uma corrida pessoal com um motorista em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte. Em um manifesto momento do trajeto, eles deslocaram para a zona rústico da cidade, onde foram rendidos por criminosos. O varão e a mulher foram baleados e levados da extensão dentro de um carruagem. O motorista foi deixado em um lugar ermo.

Adinalva soube do delito pela Polícia Militar no mesmo dia, e da possibilidade de uma das vítimas ser a filha. Ela tinhase encontrado com Débora uma semana antes dos assassinatos e, desde logo, não teve notícias da jovem. 

"Estou esperando esse fiscalização de DNA já faz cinco meses. Todas às vezes que eu liguei no IML para saber da identificação, eles diziam que, devido aos corpos estarem carbonizados, está difícil para colher o material e fazer o revista, mas não era isso.E agora que me falaram que o equipamento está estragado. Eu nem sei se é ela mesmo, estava sem documento", explicou. 

Gravidez

Segundo a mãe, Débora estava pejada de seis meses. A possibilidade de gravidez já tinha sido levantada pela PM à estação dos fatos, De consonância com Adinalva, a filha estava com o companheiro há muro de um ano e, quatro meses antes, tinha sofrido um monstro instintivo.

Ainda conforme a corporação, o varão assassinado tinha antecedentes criminais por roubo, homicídio, porte ilícito de arma e teria deixado a prisão em junho do ano pretérito. Ele também ainda não foi identificado no IML.

"Era o primeiro fruto dela, meu primeiro neto. Estávamos felizes com a gaiato, o sonho dela era ser mãe. A Débora não era de falar do relacionamento, não sei se estavam sofrendo alguma ameaço. A Polícia Social disse que investigou, concluiu o questionário, mas ninguém foi recluso. Falaram que encaminharam ao juiz e estão esperando o mandado de prisão", afirmou a mãe.

Posicionamento Polícia Social 

Por meio de nota, a assessoria de prelo da Polícia Social confirmou que o questionário foi guiado à Justiça e que as informações serão repassadas em momento oportuno. Sobre o provável equipamento com defeito, a instituição informou que uma reunião teria início às 17h. No entanto, até as 19h, não havia informações da questão. O espaço segue em lhano.

Veja a nota na íntegra sobre a investigação:

"Sobre o encontro de cadáveres em janeiro deste ano, em Taquaraçu de Minas, a Polícia Social de Minas Gerais (PCMG) informa que o questionário que apurou a morte das vítimas foi concluído e enviado à Justiça. No momento não serão repassadas mais informações para não prejudicar o curso da investigação. Quanto à liberação dos corpos, a PCMG informa que, por terem sido encontrados carbonizados, não foi provável a imediata identificação das vítimas. A liberação de corpos, pelo IML, somente se concretiza depois o cumprimento de todos os procedimentos possíveis para a correta identificação. Trata-se de um trabalho minucioso que visa prometer a segurança técnica dos trabalhos. Ressaltamos ainda, que trata-se de exames complexos e demorados e o setor responsável pelas análises de DNA está hipotecado na desfecho desta identificação".
 


[ad_2]
Manadeira Notícia -> :Fonte Notícia