Belém é a 4ª capital brasileira que mais lê, diz pesquisa

[ad_1]

Belém foi a quarta capital brasileira que mais leu em 2019, com 61% da população sendo considerada leitora, segundo ranking divulgado pela 5ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-livro. João Pessoa, capital da Paraíba, está em primeiro, com 64% da população, seguida por Curitiba, com 63%, e Manaus, com 62%. A pesquisa foi realizada entre outubro de 2019 e janeiro de 2020, com 8.076 entrevistas em 208 municípios.

O brasílico lê, em média, cinco livros por ano, sendo aproximadamente 2,4 livros lidos somente em secção e 2,5, inteiros. A Bíblia é apontada porquê o tipo de livro mais lido pelos entrevistados e também porquê a leitura mais marcante.

Ainda segundo a pesquisa, a maior secção começou a se interessar por obras literárias por culpa de indicações da escola, professores, amigos, ou porque viu filmes baseados em livros. Os autores preferidos citados no estudo são Machado de Assis, Monteiro Lobato, Jorge Estremecido, Carlos Drummond de Andrade e Paulo Coelho, e 60% dos leitores de literatura afirmam ler mais de um livro do mesmo responsável.

O gênero preposto do brasiliano que lê literatura é o narrativa, seguido pela trova, as crônicas e os romances. A maioria do grupo prefere comprar livros em livrarias físicas (48%), pela internet (24%) ou em sebos (15%).

Para a estudante de jornalismo Érica Castro, 24 anos, a paixão pela literatura surgiu quando seus pais estavam enfrentando uma crise no consórcio, em processo de separação, na idade ela tinha 12 anos. "Eu encontrei um refúgio nos livros, desde logo não parei, deixou de ser palato e virou minha paixão’’, disse a estudante. Ela também conta que a literatura pôde ajudá-la a ortografar muito, a ter um pensamento mais crítico e mais conhecimento sobre o mundo.

Érica tem guardados aproximadamente 200 livros. Ela diz que lê livros de todos os gêneros, mas gosta mais de romances e de terror. Por desculpa da pandemia do novo coronavírus, ela passou a ler mais. "Eu me via isolada em morada, sem ter contato com outras pessoas, vendo muitos noticiários que não me faziam muito, logo comecei a reler meus antigos livros e livros novos. Durante a pandemia, comecei a comprar mais livros, porque porquê as lojas físicas estavam fechadas, as lojas virtuais estavam com muitas promoções, logo aproveitei e renovei a minha estante’’, conta a estudante de jornalismo.

Internet e livraria

A internet e as redes sociais são razões para a queda no percentual de leitores. A internet e o whatsapp ganharam espaço entre as atividades preferidas no tempo livre entre todos os entrevistados, leitores e não leitores. Em 2015, 47% disseram usar a internet no tempo livre. Esse percentual aumentou para 66% em 2019. Já o uso do whatsapp passou de 43% para 62%. 

Ainda conforme a pesquisa, 5% dos leitores disseram que não leram mais porque acham os livros caros. Um dos fatores que influenciam a leitura é o incentivo de outras pessoas. Um de cada três entrevistados disse que alguém o estimulou a gostar de ler.  Uma boa secção desses eleitores é estimulada por projetos que atuam na comunidade, sejam em escolas, bibliotecas públicas ou associações de moradores, que incentivam o hábito de ler e o recta à ensino.

Promover a leitura para crianças e adolescentes, estimular a democratização do livro e o aumento do número de leitores, por meio da oferta de rodas de diálogo, círculos de leitura, oficinas de teatro, dança, música e popular paraense, é objetivo do Espaço Cultural Nossa Livraria (ECNB), localizado no bairro do Guamá, em Belém. "Nós queremos transformar a leitura num ato de pertencimento à vida cultural da nossa cidade. Queremos que os moradores sejam conhecidos porquê cidadãos leitores’’, disse Raimundo Rodrigues, coordenador do Espaço Cultural Nossa Livraria.

O projeto atua desde 1977 com a iniciativa de irmãs da Sociedade das Missionárias Médicas que realizavam ações com crianças em situação de rua, por meio de atividades de base, pedagógico e lúdrico, no bairro do Guamá. Atualmente o ECNB atende aproximadamente 300 jovens e crianças.

Para Raimundo Rodrigues, a ensino não é provável sem a leitura. "Uma pessoa que não lê hoje ela está fora da sociedade. Faz com que você tenha a possibilidade de se desenvolver integralmente, de conseguir acessar os outros níveis de saberes, os tempos da humanidade, o seu pretérito, o seu horizonte e entender o seu presente’’, explica o coordenador.

Devido à pandemia do novo coronavírus, a Nossa Livraria segue fechada ao público. Com o isolamento social, o espaço realizou transmissões ao vivo nas redes sociais, tendo contação de histórias, entrevistas, discussões de livros. No período pandêmico, o espaço cultural continuou exercendo seu papel social, arrecadando cestas básicas para doação no Guamá e região. "Conseguimos receptar aproximadamente de 1.400 a 1.500 cestas básicas, grande secção foi entregue com livros para fazer companhia às pessoas no isolamento. Estamos tentando trabalhar para edificar uma campanha chamada Natal Sem Míngua, porque mais do que dar comida, queremos também trabalhar a esperança das pessoas’’, disse Raimundo.

Por Amanda Lima.

 


[ad_2]
Manadeira Notícia -> :Fonte Notícia