Porquê BH, Santa Luzia adota barreiras sanitárias contra pandemia de coronavírus

[ad_1]

Só nos dois primeiro dia da ação, mais de 1.100 veículos foram parados, mas nenhum caso suspeito de Covid-19 foi identificado, segundo a prefeitura

Assim porquê Belo Horizonte, Santa Luzia, na região metropolitana, começou a utilizar barreiras sanitárias em entradas do município para sofrear a pandemia de coronavírus. Motoristas que chegam à cidade por três entradas são parados por agentes públicos para passar por uma rastreamento galeno — mensuração de temperatura e perguntas sobre outros sintomas. A medida segue um decreto assinado pelo prefeito Christiano Xavier (PSD) na segunda-feira (18).  

Colega de partido do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, Xavier diz que a medida já era cogitada pelo comitê de combate ao coronavírus antes de ser adotada na capital — onde passou a valer na última segunda. “Já fazíamos barreiras na fileira dos bancos há mais de um mês”, pontua Xavier.

O prefeito pede paciência a quem não concorda com a medida, justificando que a normalidade ainda vai demorar a retornar e que as barreiras são uma forma de flexibilizar as atividades na cidade com mais segurança. O município não aderiu ao programa estadual Minas Consciente, mas mantém o negócio franco, com restrições, desde o final de abril.  
 
As barreiras sanitárias não têm poder de impedir ingressão ou saída da cidade, mas pessoas identificadas com sintomas suspeitos de Covid-19 recebem orientação para buscar atendimento médico específico. Segundo a prefeitura de Santa Luzia, só nos dois primeiro dia da emprego, 1.100 veículos foram parados.

Ainda assim, não houve registro de nenhuma pessoa com sintomas similares ao da infecção por coronavírus, segundo a prefeitura. A previsão é que as barreiras funcionem das 8h às 12h, de segunda a sábado, por tempo indeterminado.  

Acompanhando a movimentação nas barreiras durante a manhã desta quarta, o coche da própria reportagem foi abordado na Avenida Beirada Rio, no província Industrial — a temperatura dos passageiros foi medida e eles tiveram de responder a perguntas sobre outros sintomas e se tiveram contato com pessoas sintomáticas nos últimos dias.

Nesse ponto, o fluxo de veículos seguiu tranquilamente, mas houve formação de fileira em outra barreira, na Avenida das Indústrias, no Portal Santa Rita. Em caso de recusa na realização do rastreamento galeno, segundo o decreto, forças policiais podem ser acionadas. A reportagem flagrou pelo menos um motorista que se recusou a ter a temperatura medida, mas ele exclusivamente seguiu viagem. A prefeitura foi questionada sobre essa situação pela reportagem, que aguarda retorno. 

Atualmente, a cidade tem 25 casos confirmados da doença e um óbito, de contrato com o boletim mais recente da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). 

Confira onde estão as barreiras sanitárias de Santa Luzia:

  • Portal São Bernardo, via Risca Verdejante
  • Portal da Avenida das Indústrias, via MG 20
  • Portal da Avenida Cercadura Rio, via BR 262

[ad_2]
Nascente Notícia -> :Fonte Notícia